terça-feira, 10 de abril de 2012

OUTONO

OUTONO
Eliana (Shir) Ellinger


Era outono.
Folhas secas pelo chão,
naquela tarde tão amena,
sentei-me à beira do lago...
...sentia-me tão pequena...
Deitei na grama, adormeci.
Era o vento me embalando,
folhas caindo sobre mim,
levemente me tocando...
...sentia-me tão serena...
Iam folhas se juntando
que teu corpo foi moldando,
nossas mãos entrelaçando,
teu rosto colando ao meu
assim, como sempre aconteceu.
Não percebia que sonhava
- era tudo tão real -
pois teu cheiro me envolvia,
teu calor me aquecia,
como fosse um amor total.
Foi-se o tempo passando,
a saudade alimentando
a falta sentida de ti,
querendo naquele momento
ter-te comigo alí...
Mas, chegando a noite, te foste,
deixando o amor para trás,
sem te esquecer um instante,
pergunto ao vento...onde estás?

Hazorea, 8/04/2012


Outono Azul
Rose Arouck

É a natureza derramando suas nuanças
sobre a terra em nova fase;
Fase verdadeira,
Fase de certeza.

O outono se instala
e todo o hemisfério inala
a fragrância da maturidade que se diluiu.

O caminho fica fresco e sutil.

As folhas se atiram e as arvores correm
em busca da renovação.

O céu se mescla de encontro ao pólem
que as flores arremessam na sua transformação.

É o azul outonal tingindo a cúpula
de uma cor matinal.

Os sentimentos se revezam
na tendenciosa espera
pelo aconchego que desperta.

E vai marchando o tempo inquieto.
Outono azul,
deixa o céu ainda mais perto.



Folhas Mortas...
No outono da vida...

Nídia Vargas Potsch
( indriso )



Maturidade, vida ainda em floração
Cheia de viço, de frutos maduros.
Folhas mortas caem, não do coração...

Mas chega o dia em que o Amor
Te surpreende de roldão, te engasga,
Levando-te a sonhar, a tirar os pés do chão.

Sina ou Destino, inesperados acontecem...
O Amor floresce não importa quando... É Vida!

@Mensageir@



NOSTALGIAS OUTONAIS
Anna Peralva


No silêncio do tempo arfam folhas caídas.
Atreladas em danças, lentas ciladas do vento
que ora desenha, manhãs tão envelhecidas!
Agita-se inquieto o âmago do sentimento...


Apartam-se cores nas aquarelas outonais,
tons amarelecidos revelam anseios antigos!
Alma hiberna o olhar nas fontes lacrimais,
nó da solidão macula o fulgor dos sentidos.


Gira a vida, constante carrossel de estações...
Gotas de saudades ponteiam a pele em invernias.
Pausa no corpo, só retalhos de perdidas ilusões
em noites virginais, ataviam suas nostalgias...



Bendito Outono
Maria Tomasia



Finalmente chegou o bendito outono,
e partiu apressado o quente verão.
Hoje, o outono assume o seu trono,
trazendo para todos uma linda visão.

Folhas douradas bailando ao vento,
serpenteando no ar e caindo no chão,
dão à nossa vida um novo alento,
porque nos livramos do intenso verão.

O vento nos traz um gostoso frescor;
à noite, ficamos mais sonolentos.
Sentimos no ar o perfume da flor,
e até renovamos nossos sentimentos.

Outono, te és sempre muito bem-vindo!
Com tua chegada, a lua fica manhosa.
As estrelas aparecem sorrindo,
e a noite é muito mais charmosa!

RJ, 21/03/12



Outono
Elaine Ermel


Amanheceres orvalhados, iluminados,cintilantes.
Folhas rubras de paixão flutuam no ar, num ritmo constante.
Botões do jasmineiro convidam á doçura do amor inebriante.
Tardes ensolaradas, emocianantes.
Pores-de-sol vermelhos, intrigantes.
Vênus no céu com estrelas de brilho ofuscante
insinua noites abrasantes.
Luz difusa da lua aliciante,
que me faz lembrar da textura da tua pele,estonteante,
seu calor, seu aroma inebriante.
Minhas mãos ansiam tocá-la com caricias marcantes...
Ah! Noites de outono tão instigantes...
De adormecer sonhando acordada com teu semblante,
o brilho dos teus olhos cativante,
e meu coraçãoa pulsar num ritmo vivificante!



Outono Da Vida...
Dioni Fernandes Virtuoso


No outono da vida,
as lágrimas caem feito folhas secas,
arrancadas pelo vento frio da saudade.
Forram o chão d' alma
de cores esmaecidas,
nublando os olhos diante da realidade...

Escorre as horas
por entre os dedos da vida,
trava-se batalha entre o Eu real e o interior...
E contra o temido
e implacável tempo,
não há de se ter vencedor...

Abril de 2010



OUTONO
Gilda Pinheiro de Campos





Outono para mim é sempre uma estação que mexe com sentimentos mais profundos...
Me lembra as boas e ruins coisas da vida...
O que fiz, o que deixei de fazer...
Quem me faz muita falta...
Me lembra sempre o prazo de validade , que a cada outono vai inevitavelmente caminhando para o fim..
Para todos assim é...
O que incomoda é a falta que faz realizar rápido, certos sonhos...
A espera, saudade, o fechar os olhos e ver alguns não realizados...
Abandona-los e seguir em frente? Insistir?
Briga com o sr. tempo...
Mas prometi não mais brigar com ele e sim caminhar ao seu lado, aceitando o que me tocar, mas sempre lutando para fazer acontecer o que quero...
A nova estação chega e me encontra, graças a Deus com saúde, esperanças,mas também certeza de que há realidades de que não posso fugir...
Então é respirar fundo, enfrentar de cabeça erguida, coração leve e confiante...
Bem vindo seja outono...
Ainda te amo...

20/03/2012
às 10:24a.m.




Basta!
rivkahcohen


Aguardei com a maior decência..
Não enganei o sol, não escondi a lua.
Tantas foram minhas idas à janela
e na rua, nada parecia ter tendência
sequer amarela!

Não suporto aguardar o outono
e antes que alguém,
outra estação escolha,
vou adiante, vou mais além,
pinto uma por uma das folhas
e debaixo delas, eu sonho..!

Bem-vindo, Outono austral!


SOU OUTONO
Cibele Carvalho


Sou outono,

quando arranco de dentro de mim
as folhas da desesperança
para que possam renascer
em novos tempos de bonança.

Sou outono,

quando me coloco à espera
de que ao chegar a primavera
volte a sonhar como criança.

Sou outono,

quando o vento sopra as mágoas
que estavam no coração
e leva-as, com ele, então.

Sou outono

se com a alma ensolarada,
prossigo na caminhada,
inundada pela luz
dessa estação dourada.


SOU OUTONAL
Luiza Porto



Sou outonal, por isso
pega leve.
Não tenho mais hormônios
em ebulição, mas as vezes,
sou vulcão.
O vermelho me deixa em chamas,
com azul fico serena.
Sozinha sou maresia
Com você simples magia.


Outono
Cida Valadares


Qual dedilhar de acordes em recém-nascidas folhas,
Que o outono, como confetes, salpicou.
Visita-me esta estação , pipocando como bolhas,
Como sopro, em brasas, alumiando a noite que acordou.

E os magistrais acordes, em toques mágicos,
Espalham lumes em meu cerzido coração
E o tempo, como um divã de momentos trágicos,
Se retrai, perante a força dessa estação.

As lembranças baloiçam , as folhas se espalham
E as saudades afoitas...
Se distraem em mil formas... alucinação?
É saudade refeita; quem sabe, perfeita?

Sentimento que o outono
Renasce o inverno,
Em meu coração!


Sinfonia de outono
George Alves




Gosto do outono
de ver a natureza mudar de roupagem
de como se despe
sem pudor, com desprendimento

pelas roupas que se vão
que deixa cair no chao
expondo suas ramas
sem flores nem frutas

sem pensar no passado
somente nos presente
nas roupas novas que vêm
bordadas até o inverno

com brotos e flores
nas preferidas cores
nos panos em folhas
novos verdes ramos

do outono a primavera
para no baile das flores
debutar, nas sinfonias
das brisas.. florescer....bailar


Joe'A


NO OUTONO DA VIDA
Marcial Salaverry


Aqui chegamos...
Saindo da primavera...
Passamos pelo verão...
Entramos na fase outonal...
Aproveitamos experiências anteriores...
Em benefício de nossos amores...
Sabemos
o que queremos...
Conhecemos da vida os segredos,
e afugentamos nossos medos...
Quando amamos...
é aquele amor maduro,
gostoso, seguro...
sabemos amar,
e nossa parceria agradar...
É a estação
melhor para o coração...
Nosso outono é gostoso,
cheio de prazer e de gozo...

Meu Outono
Rita Rocha


Com a chegada do outono
É bem comum nesta estação
Ver folhas bailando ao vento
E se espalhando pelo chão...


Vão caindo suavemente...
Em bela e doce canção...
Pra agradecer a natureza
O milagre da renovação...


As árvores vão se despindo
Das velhas roupas de então,
Não querem carregar vestígios
Que lhes tragam recordação...


Bem se parece a minha vida
Com determinada estação
Deixando pra trás sem apego
Todo calor do verão...


Arte Marilda Ternura

Um comentário:

Anônimo disse...

MARAVILHA!!! A poesia está presente em todas as estações e sempre se perpetua nas dobras do tempo. Beijus Anna