18 de jun de 2010


Vô Não, Cumadis...
Anna Peralva




Ocês tão muito assanhadas...
É u frio, ou u quê?...
Num qui eu seja fofoquera,
nem qui quera ponhá lenha na fuguera...

Vô ficá por aqui mermo,
tá bem mais quentinho.
Punho umas meias véias nus pés frios,
isquento um leitinho
e vô drumi cum maridinho.

Inquanto ocês tão na canturia
eu vô na cama me esbardar,
tumara qui toqui um forró
prá festa docês animá.

Mas agaranto qui aqui vai cê bem mió,
pois vô ficar agarradinha cum meu cubertô
fazendo amô
inté o dia raiá...

Ê lasquera,
a cama vai virá fuguera
e as faguias vão briá,
nu tetu du meu barraco
prá modi de nus ilumiá.

Eita trem bão este tar de amô!
Pru modi disso qui num vô!...
Aqui tá é bão dimais,
lua cheia, armas im paiz!




Vô mermo
Marilda Conceição


Sa cumadi, tô mermo muito assanhada
pruquê num tenhu esse tar de cubertô,
intão vô pro arraiá
vê se arranju um amô.


A noite tá bunita,
o cér tá istrelado,
vô de caipira de chita
pra arrumá um namoradu.


Mai si ninhum amô aparecê,
num vô fica triste não,
na fuguera vô me aquecê
e vô sortá muito balão.

17/06/2010-13:45



***************



Forró é bão, namorá é muito mió!
Anna Peralva

I no som du sanfineiru bão
nóis si inlaça, si agarra
i si isbarda nu terreru.
é um tar di roça roça
qui faiz a pele ingrossá,
quasi ixplodi di emução.
Num guento u baile si acabá
i nóis sai correnu
pramodi podê namorá!




Quero ocê nesse forro
( Rose Arouck )



Esse forro tá esquentando
pra mo de a gente animá
eu to daqui te zoiando
doidinha pra te agarrá...

Ocê dança se amostrando
loquinho pra me beijá
e a sanfona promete
fazer tudo que compete
pra santotônio ajudá...

E ô vou continuá
te adevorando cum os zoio
até ocê me enxergá...
Minino acorda
num dá mole
que o lampião
vai se apagá...





(For rosão)
JRonaldo-JR



Agarra qui ée bão
Sigura cum as duas mão
Num deixe nada iscapa
Inte o dia raia

Eta muie assanhada
vem queima nessa brasa
deixe a sanfona toca
so quero ti agarra

Vem pula na dura corda
quem sabe oce acorda
deixe o lampião apaga
nu fogo meu oce vai queima
ate para de regatia




*****************



U IMPURRA IMPURRA
Maria Luiza Bonini



Tô aqui pra lhis contá
Du jeitu qui miór dá
Im primeríssima mão
Coisa di irmão prá irmão

Dus pididu im oração
Qui fiz pru São João
Qui nunca fui atendida
Mi dexô muitu sintida

Du jogu dimpurra
Qui fizeru cumigu
Mi dexaru sinti burra
I pur dimais di incumprendida

Pra si vê livri di atendê
U santu mi mandô falá
Côtro santo, i si pois a dizê:-
- Ecis pididu si faiz é nôtro lugá

Fui falá co Santu Antoniu
Inté levei uns agradinhu
Uma frô tipu uns geraniu
I pra doçá , inté uns bejinhu

Cheguei cheia di isperança
Di consigui u meu intentu
Tar num foi minha surpresa
Qui adianti eu com entu

Coçandu a careca i meio sem jeitu
Mi feiz uma chocanti revelação
Qui mi dexô inté di quexo caídu
Nunca isperava qui minhas oração

Tivesse essi istranhu efeitu
Qui resorvi lhis contá
Apesar du santu, im segredu,
pidir preu mi calá

Meiu sem jeitu mi dissi:-
- João, meu cumpadi
mandô qui vinhesse aqui
Causqui num tem comu dizê

Dessa história, a verdadi
Comu pode u pobri Santu
Otro matrimônio arranjá prá cumadi
Si ele tá ha tempu si siguranu

Pra num iscorregá coa diversidadi
I acabá di confessá choranu
Qui é di vosmecê, a cumadi
Pur quem u coitadu tá amandu?

Corri pru São Pedro
Pedi qui mi aconselhassi
Vixi, tava morrenu di medo
Qui inté mi isconjurassi

Fiquei mais chocada ainda
Quando mi deu um conselhu:-
- Coloqui os nomi dos pretendenti
Debaixu du seu travisseru

Aqueli di cuju nomi saí
Vai ti levá pru matrimônio.
Dia siguinti, us papér, curri prábri
I tava lá u nomi du Santo Antonio

Chega dimpurra impurra!
Disistu du matrimônio
Causqui num sô tão burra
Pra querê um otro Antonio


SP. 05. junho.09




*****************



Dunzela Incainhada
Marise Ribeiro



Esse tar de Santu Antonhu
Anda aprontandu cumigo
Num queru maridu bisonhu
Nem queru qui venha castigu
Di eu mi casá só em sonhu


Já num criditu em milagre
Pois inté agora nada acunteceu
As prumeça foram pru vinagre
Um pretendente já morreu
Um otru era cabeça de bagre


Já pulei inté fogueira
Pra vê se arrezorvia
Mas deu mais ingrezia
Fiquei mais namuradeira
Qui pra casá hômi fugia


Será qui otru santu me ajuda
A sair da sorteirice?
Quem sabi São Juão me acodi
I eu não chegui inté a velhice
Incanhada i na dunzelice?


Vô nu baile mi acabá
Pra vê si saio dessa situação
Mas si us santus mi aprontá
I nenhum hômi si achegá
Num cunverso... garro inté o sacristão!




*****************




É HOJI SÃO JUÃO !!
Itana Goulart


Nu arraiá resorvi intrá,
vim pra mordi de farriar
É hoji vo me acabá
Vo bejá inté os beiço inchá
Num dianta tentá me segurá
A fuguera tá quemando
queru vê o balão subino
e eu bejano e dançano
uns quentão eu já tumei
i logu mi açanhei
Pisquei pru moçu du lado
qui se achegô todo açanhado
mi colocô num laçado
i cum os beiço colado
dançamu um forró garrado.



*****************


Festa a São João
Schyrlei Pinheiro


Venham acender a fogueira
Na noite de São João,
Dançar a noite inteira
Com amor no coração

Não entrem em bebedeira,
Não soltem os seus balões,
Levantem a bandeira,
Libertem as emoções.

O dia é só de alegria,
A festa tem tradição,
Sintam na força, a magia
Sair da palma da mão

Quadrilha não é quadrilha,
Tiro não é saudação,
Ninguém quer ver São Pedro
Na festa de São João .

Um comentário:

Efigênia Coutinho disse...

Olá Marilda, aqui venho para aplaudir todos desta ciranda de São João, como é gostosa está festa em versos, meus cumprimentos as comadres e cumpradres deste festeré,
Efigenia Coutinho

(espero voces ao meu blog)