segunda-feira, 3 de agosto de 2015

NOSSOS POETAS DE M a P



AMOR SECRETO

Marcial Salaverry


Um amor secreto...
dentro do coração
bem guardado.
É um amor completo...
de tirar a razão,
deixar descontrolado.
Deve ficar em mistério...
mas é um amor sério,
verdadeiro, real...
não causa nenhum mal...
Amor secreto...
não pode ser falado,
comentado, divulgado...
Tem  um fundo de segredo,
que lhe dá mais sabor...
um que de quase medo,
que sustenta a força desse amor...
Deixa o amor mais forte...
Dá-lhe suporte...
Por ser um amor secreto...



TEMPO

MARIA LUCIA VICTOR



Tempo!
Bendito tempo
que as dores sempre acalma,
que aquieta as más lembranças,
que preserva a criança
que levo escondida em minh’alma.


Tempo! 
Maldito tempo
que marca meu rosto com garras,
que passa sobre  meus sonhos,
que rasga a mágica tênue
da vida que se esvai nas floradas


Tempo,
pudesse te dominar.
sem medo, sem pejo de nada,
um tango iria dançar
e enfeitar de alegria
os minutos que em mim se abrindo
nunca iriam passar.


Ah, tempo,
pudesse te segurar
bem firme por entre os dedos,
fixaria poentes
em cores de obra-prima,
teceria belos casulos 
de luar e de neblina
para meus segredos guardar.
           
E os bem-te-vís, os ouviria cantar
sem pressa, parada no cais,
lembrando quem bem-me-viu
que levastes em tuas asas
para o mundo do nunca mais.


Tempo,
Não tires assim meu alento,
preciso já construir
as pontes dos bons intentos,
romper distâncias, calar o pranto
enquanto busco o amor,
que tu de maldade escondeu
nas trevas do desencontro.



Tempo, 
fique mais, quero rever o mar.
de longe e de perto amar.
desfolhar muitos azuis,
resplandecer em auroras
esquecida que nas horas
estás ligeiro a passar.


Por fim, como anjo vadio
planando sem eira nem beira
sobre abismos de saudade,
hei de mostrar-te a verdade:
não podes comigo, tempo,
sou filha da eternidade.




DESCULPE A MINHA POESIA

Maria Luiza Bonini


Desculpe a minha poesia
A te dizer,  sem medos e sem brios
Neste jeito de amar em forma de magia
Provocando consciente, ternos calafrios

Desculpe a minha poesia
Que chega à tua casa, sem pedir licença
Ignorando o tempo, seja ele noite ou dia
Levando aroma de amor, em sua essência

Desculpe a minha poesia
Ela é a paixão versejada em rimas
É o sentir da alma que é só minha

Desculpe a minha poesia
Por tudo o que tem escrito
Desvendando segredos, que eu jamais teria dito


SP.09.10.09
às 3:00 h



Porque Te Amo Demais

Maria Tomasia 



Contigo seguirei pela vida afora,

sem querer pensar em nada.

Farei qualquer coisa, agora,

porque em ti encontrei minha pousada.

Tudo farei, porque te amo demais.

Irei te seguir sempre de mão dada.

Saiba que, sem ti, não fico jamais.

És meu sonho, meu amor, minha vida.

Somente em ti encontro guarida.

Cada dia que passa te amo mais.



Quem dera!
Marilda Conceição


Ah! Poeta!
Quem dera fosse eu a tua amada.
Quem dera fosse eu 
a mulher dos sonhos teus.
A tua eterna namorada.

Acolher-te-ia nos meus braços.
e, num terno abraço,
Envolver-te-ia com candura,
entregando-me de corpo e alma,
na mais doce ternura.

Doar-te-ia meu amor,
e te amaria na mais ardente e intensa paixão,
plena e infinitamente,
com toda emoção.

Ah! Poeta amado meu!
Quem dera fosse eu
a musa dos versos teus.




Mãos Apagadas

Marise Ribeiro



Os afagos desviaram-se do fulgor

do encontro e hoje há somente

ausências em minhas mãos...

Tento acendê-las em rimas, 

elas se rebelam e tornam a se fechar

no casulo da sombria indiferença...

Rego minhas mãos com palavras,

na ilusão de que elas vejam a aurora 

e possam reaprender a florescer...

No entanto, de tão apagadas,

elas apenas rogam

pelo silêncio do anoitecer...



POEMEU...
  
Marilu Santana



Assim é o meu poema...
De letra simples falante
Não da realidade amena
Mas do coração amante


Não de um coração qualquer
Do músculo preso no peito
Seja de homem ou de mulher
Mas do etéreo do não sujeito


Do que mesmo assim se rebela
Não fazendo do amor barganha
Exposta em qualquer tabela


Do irrestrito vazante na janela
Semeadura que a terra apanha
Sol de ventura em viva aquarela

Recife -20/11/2006 





ALMAS

Nanci Laurino)  
  
Almas que se unem ao longo dos tempos
Se precisam, se completam
Em verdadeiro amor
Nada separa nem mesmo a morte.

Vidas e vidas, almas que se encontram
Experiências diversas as fazem evoluir
Sendo ela a alma o verdadeiro ser do Homem
Nunca morrem e tem como morada um lugar
Chamado eternidade!



Me leve

Neide de Oliveira
Cigana



Me leve ao infinito
Onde tudo é mais bonito
Colorido e com cheiro de flor
Me leve...
Mesmo que seja em teu pensamento... 
Em tua alma quero renascer beija flor 
Me leva na brisa que sopra em tua pele
Num dia azul de verão
Me leve
Na água que banha o teu corpo
E sacia a tua sede.
Na simplicidade de um pássaro cantado
Lembre-se do meu amor.
Me leve
Nos teus sonhos
Num despertar de primavera
Afastando a solidão.
Me leve
Em tua emoção...
Não deixes jamais morrer este amor
Vem e toma posse do meu coração
Ele anda carente
Sedento de carinho e atenção.


24/10/2013



Quando o Amor se vai...

Nídia Vargas Potsch



Sombras escuras só pairam invertidas
Em noites de tempestades inesperadas.
Calculo que sejam mensagens cifradas
Que mostrem feridas nas despedidas.

  
Perderam-se Emoções e Sentimentos
Jogados ficaram em vários cantinhos
Partituras, flores murchas, carinhos,
Um a um foram-se todos os alentos...


Não importa o tempo que durar
Mas a saudade nua e crua vai ficar.
Talvez, com ela, consiga perceber


Dolorosa despedida foi aguentar.
Maior engano eximir-se de amar
Sem um amor é impossível viver!

@Mensageir@




Pudesse

 Priscila de Loureiro Coelho



Pudesse soltar-me
E então libertar-me
De tua vontade
Pudesse eu voar
Transpor pelo ar
Minha a ansiedade...


Mas sou tua escrava
Cativa de ti
Não posso evitar
O tempo escapa
A me consumir
De tanto te amar...


Agora é tarde
A paixão que me arde
Não quer se apagar
E eu vou pela vida
Cuidando a ferida
Pra não mais sangrar.


Pudesse reter
O sonho e o querer
Em tudo que sei
Pegava o tempo
Retinha o momento
Em que me apaixonei!




Arte Marilda Ternura


Nenhum comentário: