quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010


A inocência do amor.
Arneyde Tessarolo Marcheschi

Como flecha de cupido
quero vazar seu peito e cravar-me
em seu coração,
entrando em seu corpo
desvendando os limites dos
seus mais profundos mistérios.
Quero ser dona de seus pensamentos
nos momentos mais lúdicos,
nos mais seguros e inseguros,
transformando-os em puros sentimentos
e nas noites escuras
ensinar-lhe a arte do amor.
Um amor profundo,sincero
sem limites,sem barreiras,
cheio de quimeras,
na esperança de um transparente
e florido amanhecer.
Deixa-me ensina-lo a ser feliz!
Venha para perto de mim,
adentre meu coração, e encontrará
uma doce quietude, e todo o
amor e paixão que tenho para ainda lhe dar.

Vitória.E.Santo 28/07/2008

Um comentário:

Anônimo disse...

Mama mia, que beleza!Ah o amor, sempre pulsando no coração da gente! Beijus Anna Peralva