4 de mar de 2010



MORRER-ME, SINTO!

Delasnieve Daspet

Nada existe.
Nem em meus sonhos.
O vazio domina.
Tenho de pegar meus olhos
E aprender a ver a luz
Na noite escura...

Agora, no quase oculto
Em que vivo,
Tateando nas palavras,
Morrer-me, sinto!

O que acontecerá?
Na tristeza em desfazer-me a alma
Enxugarei o pranto que me inunda.

Não soubestes compreender
Toda a ternura que tivestes.
Mas, a duras penas aprendi
Que a vida muda de repente!

Vou percorrendo meu caminho.
Deixo pistas para que me aches.
E como uma aranha vou tecendo a teia
Para prender-te,
Deixar-te sem rumo.

O ódio atroz pode mudar?
Seguirás meus passos?
Quem saberá?!

Mas...
Lentamente, me situo!
Sou eu quem anseia pelo teu toque,
Sou eu quem sonha com teus beijos,

Sou eu - fera indomável,
Sou eu - rio solitário, fluindo para
A imensidão infinita do mar
De minhas quimeras,
Sou eu - quem ainda te ama...


DD_11-01-2002 - Campo Grande
MS

Nenhum comentário: