quinta-feira, 26 de novembro de 2009


CHORA POESIA

Cida Valadares

Chora poesia, quando do meu peito ,
se irradiam, teus versos...
Versos que vão e não encontram seu
caminho e, em vão, voltam sozinhos...
Chora poesia, quando toca a alma, silente
e cabisbaixa... inconsequente, anestesia... tentando
estancar o que ainda só faz sangrar!
Chora poesia, em qualquer canto
pois perdeste o encanto e o sonho de
encantar.
Chora poesia, incompreendida que estás...
a procurar-te, sofridamente, assim.
Volta! aquieta-te, em mim.
Velo-te o sono...e alimento-te na certeza
de que voltarás, um dia...
e brotarás, como flores e canções
nos adormecidos...corações!

4 comentários:

Anônimo disse...

Lindooooooooooo!Poesia sempre se renova, assim como as estações, retorna cada vez mais cheia de graça, em plenitude! beijus Anna

Marise Ribeiro disse...

Cida, a poesia está viva em seus textos, brilhando e reanimando os corações amargurados.
Parabéns!
Beijos, Marise

Anônimo disse...

Minhas queridas Poetisas e amigas
Anna e Marise

Agradeço do fundo do meu coração as palavras de carinho sobre o meu
Poema-oração.
Beijos no coração das duas.
Carlos Roberto

Anônimo disse...

Minhas queridas Poetisas e amigas
Anna e Marise

Agradeço do fundo do meu coração as palavras de carinho sobre o meu
Poema-oração.
Beijos no coração das duas.
Carlos Roberto