sexta-feira, 9 de abril de 2010






SERENIDADE
Maria Regina
aos doces irmãos de idênticos valores e princípos,
com infinita admiração, respeito e amor


Somente em nós mesmos encontramos a serenidade
As horas ensinam-nos coisas que o dia desconhece
Mostrando-nos que próximo há a luz da eternidade
No oportuno momento com resiliência amanhece


Alegras-te e convertas-te em graças e bençãos
Até ao infinito cume, sês sereno em tu'alma
Conservas tuas sensibilidades com toda calma
Recomeças sempre tudo com leveza em tuas mãos


Sorrias sempre, amando tudo o que há no universo
Vivas em imensurável paz com D'us seja como for
Com teu espírito sereno não destruir-te-ão desgraças
Criar-se-ão asas teus anseios e os verá inversos


A serenidade e a paz residem no calmo silêncio
Sês prudente nas lutas penosas dos sonhos arruinados
Tornas-te nobre embuído da coragem serena
Tesouro esperançoso de momentos eternizados.





Um comentário:

Anônimo disse...

Ó alma doce e pura que transborda sensibilidade em forma de versos!Maravilhoso! Beijusss Anna Peralva