terça-feira, 22 de dezembro de 2009


A Mesma Saudade
Roze Alves

Tarde preguiçosa!
Rede a balançar!
Olhar trazendo para perto
tudo... que tão longe de mim está.
Saudade... É isso!
Esta tarde cheira a saudade
de sons, cores e toques...
Nesta mesma rede
hoje desbotada e rota
quantas vezes
lhe beijei a boca!...
Seu rosto feliz, olhos a brilhar...
Quem não poderia em um futuro acreditar?...
Será que esse pássaro é o mesmo?
Ele ficava a nos olhar...
E, de peito inchado, cantava feliz
por estar ao nosso amor embalar...
Pobre pássaro! Seu canto silenciou
assim como aquele ardente amor.
A vida o levou e, aqui estou!...
Hoje nem mais dor restou.
Dividindo a rede com a solidão,
eu nunca consegui tirar você
do coração!


RJ - 06/03/2009

Um comentário:

Anônimo disse...

Bicho doído é a saudade! Mas só a sente quem um dia amou! Parabéns, bela poesia! Beijus Anna Peralva